ômega-3 na recuperação muscular

Ômega-3 na recuperação muscular e síntese proteica!

O Brasil adota a recomendação da Organização Mundial da Saúde em relação à prática de atividade física (AF) para indivíduos adultos: cerca de 150 minutos por semana de uma AF de intensidade moderada ou 75 minutos por semana de AF intensa, sendo que, para benefícios adicionais à saúde, as atividades de fortalecimento muscular devem ser inseridas duas ou mais vezes na semana. Nosso país é o segundo do mundo em relação à quantidade de academias de ginástica, sendo a musculação a atividade mais praticada pelas pessoas fisicamente ativas. Isso porque homens e mulheres buscam a melhora da composição corporal, com redução da gordura e aumento da massa muscular.

Após a prática da musculação, há diversos eventos que levam a microtraumas no tecido musculoesquelético, promovendo uma inflamação local e produção de radicais livres que culminam na remodelação do tecido muscular danificado. Assim, estratégias nutricionais são adotadas para acelerar esse processo e/ou para que a inflamação não se exacerbe e induza a um quadro clínico de dor muscular de início tardio (DMIT).

Segundo Sousa, Teixeira e Soares (2014), a nutrição pode contribuir para o aumento do turnover proteico, a ação anti-inflamatória, a ação antioxidante e a preservação da integridade da membrana celular. Junior e Gurgel (2017) realizaram uma revisão bibliográfica sobre o impacto do ômega-3 na recuperação muscular e síntese proteica e demonstram que a suplementação com esse ácido graxo poli-insaturado pode auxiliar em três pontos, conforme os mecanismos elucidados a seguir:

Referência
  1. Aumento do turnover proteico: o ômega-3 parece sensibilizar a fosforilação da mTOR e da S6K1 que estão associadas com a síntese proteica. Além disso, principalmente, o EPA tem o poder de inibir o NFkB, reduzir a atividade do TNF-α e menor expressão do MuRF1, associados com o catabolismo muscular.
  2. Ação anti-inflamatória: aumento da ativação da PGC1-α, ativação do PPAR-γ e redução da fosforilação do IkB que culminam na redução do NFkB são algumas das ações do ômega-3, assim, reduzindo a inflamação no tecido muscular, contribuindo para maior ativação das células satélites e proliferação de mioblastos miócitos.
  3. Preservação da integridade da membrana celular: além de sua ação anti-inflamatória contribuir para evitar danos às células musculares, o ômega-3 é a principal gordura que compõe a membrana celular, conforme avaliado por Gerling, C.J. et al. (2019).

MARQUES, N.; LOSCHI, R. Fitoterapia funcional aplicada à prática esportiva. São Paulo: Valéria Paschoal, 2017.

JUNIOR, V.L.M.C.; GURGEL, D.C. Utilização do ômega-3 na síntese proteica e recuperação muscular. Revista Brasileira de Nutrição Funcional, n.507, 2017.

SOUSA, M.; TEIXEIRA, V.H.; SOARES, J. Dietary strategies to recover from exercise-induced muscle damage. Int J Food Sci Nutr., v. 65, n. 2, p. 151-63, 2014

GELING, C.J. et al. Incorporation of Omega-3 Fatty Acids Into Human Skeletal Muscle Sarcolemmal and Mitochondrial Membranes Following 12 Weeks of Fish Oil Supplementation. Front. Physiol., v. 10, p. 348, 2019.

Editoria Biobalance

Gostou? Então compartilha!

Assine nossa newsletter

Rolar para cima